quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

#88


~

das noites roubadas ao sono
falam-me os dentes a verdade.
os meus.
entre o sangue e a saliva.
e tu
não sabes nem sonhas.

a fraude instala-se.
e a verdade...
nem eu sei.

sei escuro e temor
de quem já não sabe.
mas sente.

acordar a meio da noite
pra vir sofrer sozinho
numa terra de ninguém
onde não pertences
não és
e podes mergulhar
sozinho.
seguro.
rever o negrume
desmanchar os sonhos.
esvair.

fica o que há por dizer.
e este buraco
do tamanho de uma insónia
atrás da outra
atrás da outra
atrás da outra.

querer acreditar não basta.

.

[eu também tenho os pés frios à noite ]


~


sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

sábado, 3 de janeiro de 2015


não é ter resoluções.
é ter atitudes.
sem acção de nada vale ter intenções.

começar por algum lado.
roupa lavada. arrumar gavetas.
tem que haver um plano
tem que haver sempre um plano

arder e aprender.

*