segunda-feira, 25 de julho de 2011

Para muita gente é pindérico, mas toda a gente tem defeitos. Eu acho que até tenho um gosto musical requintado, mas lá pelo meio, há espaço para a Toxic da Britney Spears e umas quantas musicas do Leonel Nunes. Cada coisa tem o seu momento próprio e eu consegui arranjar espaço para estas criaturas no meu espectro musical. Para além disso assumo aqui publicamente que sou fã do inicio de carreira dos The Gift. Gosto da voz dela, embora já tenha falado com essa criaturinha pessoalmente e ter descoberto que é uma nojentinha cheia de mania, aparte disso, continuo a gostar imenso da sonoridade daqueles dois albuns. Ainda me lembro de os ter descoberto, algures em 1998, num posto de escuta de uma dessas multinacionais.. Não tinham nada de pop nem de comercial. Aquele primeiro album marcou uma fase da minha vida e está directamente relacionado com alguém que conheci naquela altura. Porque é que falo disto aqui? Porque entrei na Fnac esta semana e descobri precisamente estes dois albuns deles, a preço da chuva, precisamente porque as capas dos respectivos devem ter apanhado alguma. Não resisti e trouxe-os para casa. Umas capas amachucadas mas dois LP's duplos a rodar na perfeição.


(Épico.)




Como sou um tipo pseudo-intelectual (de categoria B), no mesmo dia andei a passear-me até à caixa da Fnac com os dois LP's de The Gift e o De Profundis do Oscar Wilde.

2 comentários:

ss disse...

Vá... apesar de também não suportar a senhora, vou fazer um esforço e ouvir a faixa que colocaste aqui.

acoldzer∅ disse...

é a faixa de abertura do album "Film". mas aconselho sinceramente a escuta ao album "Vinyl". O primeiro album deles. (Quer dizer, tinham gravado ainda antes disto um EP chamado Digital Atmosphesres que consta que não fez grande sucesso..).