domingo, 27 de dezembro de 2009

era neste quarto. estávamos deitados sobre a cama, tapados com os lençóis de flanela estampados que a minha me mandou e mais umas quantas mantas e aquele edredon foleiro (tanto ou mais que os lençóis). eu aquecia-te os pés entre abraços. o som de fundo era aquilo entre o silêncio e o respirar. sem tempo nem razão. adormecer e acordar. ficar. podiamos trocar aqueles quadradinhos de chocolate entre beijos. sentir o teu cheiro misturado com a almofada e mexer-te no cabelo. ouvir-te mastigar. sentir-te beijar. desejar.





©Nicholas and Sheila Pye

3 comentários:

azul disse...

caramba....queimado a ferro mesmo..de verdades ditas assim. sem mais.

Cachecol do Pintor disse...

eram belos tempos.

a cold zڠro disse...

eram tempos que nunca foram...