segunda-feira, 15 de setembro de 2014




disse-me:
"é condição necessária a toda a mulher com pretensões pseudo-intelectuais possuir um retrato efectuado por um artista do seu tempo" 

domingo, 14 de setembro de 2014

* i n t e r l u d i o


[ dos *nós atravessados ]




. . .
"é a ordem natural das coisas..."
. . .


não.
perdoa-me, mas..
eu não faço parte de uma "ordem".
muito menos  de uma "ordem natural".
a sério.

e quando eu digo a sério, é mesmo a sério..


viver na noite lembra-me em muito a "sweet dreams" dos Eurythmics, sabes.
e observar os outros, ainda que, eu, em estado menos próprio
leva-me a questionar e a considerar a(s) procura(s) de cada um.
até a tua também.

disse eu outrora: "do fácil não reza a história"
por isso não me digas que "é a ordem natural das coisas"
não é.
e ainda que toda a gente procure alguma coisa
e não seja eu uma excepção:
não. não é disso que eu estou a procura.

you're getting me wrong.
all wrong.






[*não confundir nós com nós.]


quarta-feira, 10 de setembro de 2014



Fundo do mar


No fundo do mar há brancos pavores,
Onde as plantas são animais
E os animais são flores.

Mundo silencioso que não atinge
A agitação das ondas.
Abrem-se rindo conchas redondas,
Baloiça o cavalo-marinho.
Um polvo avança
No desalinho
Dos seus mil braços,
Uma flor dança,
Sem ruído vibram os espaços.

Sobre a areia o tempo poisa
Leve como um lenço.

Mas por mais bela que seja cada coisa
Tem um monstro em si suspenso.


Sophia de Mello Breyner Andresen

domingo, 7 de setembro de 2014



[interludio]

porque um coração é um coração, e um coração não pode ser de pedra,
daquilo que não vês, fica só o sentido.
unilateral.
sem remorsos. sem rancores. sem espinhas. sem medos. sem merdas.
nada.
nenhumas.
e se assim é,  vamos ser sensatos: sem hipocrisias também.
[repito. sem merdas, ok?]

pra ti porque é teu.
simple as that.

é só isto.

[  ]


terça-feira, 2 de setembro de 2014





There’s two kinds of women—those you write poems about and those you don’t.
— Jeffrey McDaniel